RSS Feed

O que é o Design Inteligente?

3

setembro 8, 2011 by administrador

Por Julio Cesar Pieczarka, DSc., 2005.

Publicado pela primeira vez em 17/02/2005, em http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=25540.
Reproduzido com autorização do autor e do Jornal da Ciência.

Se você assume que fomos projetados de modo “inteligente” é inevitável a conclusão de se trata de um serviço muito mal feito, por um designer bastante incompetente, conclusão esta que dificilmente vai agradar um criacionista.

Tenho notado que sempre que surge a discussão Evolução x Criacionismo, repete-se a mesma situação: os criacionistas atacam a Teoria da Evolução e os evolucionistas tratam de defendê-la.

Na discussão seguinte, repete-se tudo de novo, não trazendo nada de novo e provavelmente aborrecendo quem não está diretamente envolvido na questão, ou seja, a maioria das pessoas. Nada se fala, porém, das propostas criacionistas.

Assim, gostaria de lançar luz sobre o outro aspecto da questão, discutindo o que é o Design Inteligente, quais suas propostas e críticas que se fazem a esta sugestão. Deste modo invertem-se desta vez os papéis, só para variar.

1) O que é o Design Inteligente?

A proposta do Design Inteligente (DI) encontra sua origem no teólogo William Pailey, que em 1831 imaginou o seguinte: se ao caminhar por uma charneca ele encontrasse uma pedra, provavelmente não daria maior atenção a ela, supondo que a mesma se encontra ali desde os princípios dos tempos.

Todavia, se ele se deparasse com um relógio, a coisa mudaria de figura, pois o relógio não é um objeto simples como a pedra. Ele leva imediatamente à idéia do relojoeiro, isto é, de uma inteligência que o projetou.

Assim, a existência de seres e/ou estruturas biológicas organizadas no mundo natural levariam à idéia de uma inteligência superior, provando a existência de Deus. Em linhas gerais, o DI propõe a mesma coisa: o design existe na natureza, levando inevitavelmente à idéia do designer.

A princípio, o designer poderia ser qualquer inteligência desconhecida pelos seres humanos, podendo ser, por exemplo, uma civilização alienígena. Porém, a preferência sempre foi por um Deus do tipo Judáico-Cristão.

Seguindo este raciocínio, a existência de estruturas complexas não seria explicável pela teoria da evolução. Behe (1997) sugere o conceito de Complexidade Irredutível. Seriam estruturas que só funcionariam se todas as suas partes estivessem presentes desde o princípio; portanto, elas não poderiam ser organizadas em um processo passo-a-passo, via seleção natural.

Um exemplo apresentado por Behe é o da ratoeira: se alguma das partes da ratoeira faltar, ela não funciona.

Deste modo, ela não teria surgido pelo aparecimento primeiro de uma parte, depois de outra, etc… pois ela só funciona no final, quando todas as partes estão presentes.

Como ela é inútil nos passos intermediários (não funciona) ela não poderia ter surgido por seleção natural, pois a seleção implica em vantagem em cada etapa.

Ele afirma existirem na natureza casos de complexidade irredutível, dando alguns exemplos, entre os quais o olho e o sistema imunológico. Outra proposta foi feita por Dembski (1998), o qual afirma que o design ocorre sempre que dois critérios são satisfeitos: complexidade e especificação. Complexidade não é o bastante, é preciso uma intenção subjacente, que indica inteligência.

2) Quais as críticas às propostas do DI?

Em primeiro lugar é preciso deixar claro que o design existe na natureza. Efetivamente a mão humana ou o sistema muscular de uma cobra, por exemplo, não são fruto do acaso. Eles desempenham uma função, para a qual foram projetados.

O grande problema com o Design Inteligente não é a idéia de design em si, é o imenso salto epistemológico em supor que este design implica necessariamente em um designer inteligente e consciente.

O design que eles detectam foi “projetado”, porém, por um designer não consciente, que atende pelo nome de “seleção natural”.

Quando se vai argumentar contra uma teoria é preciso pelo menos conhecer o que ela afirma. Infelizmente, porém, parece que os defensores do DI tem uma visão bastante errônea sobre a Teoria da Evolução, já que eles afirmam ser impossível as estruturas complexas do mundo atual serem explicadas por puro acaso.

Na realidade, um dos poucos elementos casuais na Teoria da Evolução é a mutação, que não surge em função da necessidade imediata do organismo.

No que toca à seleção natural, porém, não há nada de casual. A escolha das formas mutantes que são preservadas de modo algum é aleatória, pois a seleção é a interface entre o organismo e o meio em que ele vive.

Assim, passo a passo, as escolhas são feitas em função do ambiente e das necessidades do organismo. Estruturas paulatinamente mais complexas surgem a partir de menos complexas. Portanto, repito, o design detectado nada mais é que o resultado da seleção natural.

Alguém poderia argumentar que do mesmo modo, poderia ser atribuída a uma inteligência superior esta intenção, de modo que esta sugestão equivaleria à da seleção e, portanto, ambas teriam igual poder e tudo vira uma questão de opinião.

Não é assim, porém. A seleção natural é uma explicação baseada no mundo natural, sem necessitar de lançar mão de uma explicação sobrenatural. Um cientista deve usar a ‘Navalha de Occam’ e optar pela possibilidade mais simples e lógica.

Se uma pessoa opta pela idéia de que o design deve provir de Deus, trata-se de uma opinião dela, mas sem base científica. Deixa de ser ciência e se torna religião (até porque os desígnios Divinos, bem com a própria existência ou não de Deus estão fora do alcance da ciência, que não pode provar nem que Ele existe, nem que Ele não existe).

Em essência, os defensores do DI, ao detectar design na natureza nada mais fazem que detectar a evolução. O mesmo argumento serve contra Dembski, pois o processo de seleção natural tanto gera complexidade como traz em si o conceito de especificação, pois as estruturas não foram selecionadas ao acaso, mas em função das necessidades de sobrevivência específicas daquela espécie.

O erro, volto a dizer é automaticamente supor que design implica em designer inteligente e consciente. Com relação à complexidade irredutível, efetivamente a ratoeira é um exemplo deste tipo de complexidade e que foi, portanto, projetada de modo inteligente.

Projetada por um ser humano! Mas não há exemplos na natureza deste tipo de complexidade. A literatura disponível sobre biologia molecular contradiz este conceito, ao mostrar que estruturas aparentemente irredutíveis, na verdade, podem ser decompostas em etapas, através da duplicação de alguns genes.

Efetivamente, a duplicação gênica é um fenômeno importante no processo evolutivo, pois enquanto uma cópia do gene continua fazendo sua função, a outra fica livre para sofrer alterações.

Eventualmente estas alterações levam à síntese de proteínas que complementam a função da proteína sintetizada pelo gene original. Assim, é desnecessário, do ponto de vista científico, adicionar um elemento sobrenatural a fenômenos biológicos, uma vez que dispomos de explicações coerentes com o mundo natural.

Por fim, um aspecto que incomoda os defensores do DI (Dembski, por exemplo) é a questão da imperfeição do nosso design. Pigluiucci (2001) pergunta por que temos varises, hemorróidas, dor nas costas e nos pés?

A explicação da Teoria da Evolução é a de que evoluímos para o bipedismo em época relativamente recente, de modo que nosso corpo ainda não está perfeitamente adaptado a esta postura.

Mas se você assume que fomos projetados de modo ‘inteligente’ é inevitável a conclusão de se trata de um serviço muito mal feito, por um designer bastante incompetente, conclusão esta que dificilmente vai agradar um criacionista.

Dembski não encontrou resposta para isso, apenas aceitou o fato de que nosso design não é o ótimo que se esperaria de um Deus Todo Poderoso.

Desde Platão esta questão existe, pois ele sugeria que dado o serviço de qualidade variável, o projetista do Universo não poderia ser um Deus onipotente, mas apenas um Demiurgo, um deus menor, que não tinha capacidade de gerar algo melhor do que nós temos.

3) Qual a origem do grupo que defende o DI?

A conclusão mais evidente é a de se trata de um grupo criacionista, apesar deles negarem enfaticamente. O próprio conceito de Design Inteligente (a existência de uma inteligência que projetou o design) é um conceito criacionista em sua essência, embora não seja o mesmo que afirmar que a Terra tem 6000 anos como supõe alguns criacionistas (contrariando não apenas a Teoria da Evolução, mas também toda da Paleontologia, Geologia e Astronomia).

No entanto a noção de criação é implícita à idéia do DI. Mas vamos aos fatos. Em 1968 a Suprema Corte americana considerou a proibição do ensino de evolução (que perdurou por quase todo o século XX em muitos estados americanos) como inconstitucional, pois o motivo da proibição era visivelmente de fundo religioso e violava o princípio constitucional de separação entre estado e religião.

Os criacionistas no inicio dos anos 70 começaram então a divulgar o conceito de ‘criacionismo científico’, supostamente não religioso e que requeriria pelo menos tempo igual de divulgação em sala de aula da ‘teoria rival’, a evolução (Pennock, 2003).

Algumas leis passaram em alguns estados, mas em 1987 a Suprema Corte, no caso Edwards X Aguillard, decidiu que o criacionismo científico era de fato religião, por atribuir a origem humana a um ser sobrenatural.

Diante desta nova derrota ficou claro que os criacionistas precisavam de uma nova estratégia. Assim, o que eles precisavam era de um grupo, aparentemente independente deles, que:

a) se declarasse não criacionista (para fugir à acusação de ser um grupo religioso), que

b) lutasse por legitimidade científica (para poder ser ensinado em sala de aula), legitimidade esta a ser alcançada por bem ou por mal, tentando arrombar a porta se a mesma lhes fosse fechada, acusando os cientistas de autoritários (como se legitimidade científica fosse brinde que vem em caixa de cereal) e que

c) tivesse por mote combater a Teoria da Evolução, unindo forças com os criacionistas assumidos toda vez que isso fosse vantajoso. Então, no fim dos anos 80 surgiu o movimento DI. Se alguém ler a mensagens postadas no JC e-mail (e nos sites do DI) dos defensores do DI, verá que o comportamento descrito acima é exatamente aquele que eles apresentam (se tiverem respostas do DI a esta mensagem, por favor, atentem para este detalhe).

Estas são evidências circunstanciais. A evidência definitiva vem do documento chamado ‘The Wedge Strategy’, que estabelece as bases do movimento DI.

Este documento era interno do instituto criacionista Discovery Institute’s Center for Science and Culture (CSC), mas vazou e foi publicado na internet em 2000 (Pennock, 2003). Uma cópia pode ser encontrada na página http://www.public.asu.edu/~jmlynch/idt/wedge.html

Ele estabelece que a proposta de que os seres humanos foram criados à imagem de Deus é uma das pedras fundamentais da civilização ocidental e que esta proposta está sendo ameaçada por intelectuais materialistas, como Charles Darwin, Sigmund Freud e Karl Marx.

Assim, o CSC iria reagir, através da construção de uma alternativa às teorias materialistas. Esta construção se chamaria Design Inteligente. O documento estabelece ainda um plano estratégico a ser desenvolvido em cinco anos, compreendendo três fases:

1) Pesquisa, Redação e Publicação;

2) Publicidade e Formação de Opinião;

3) Confrontação Cultural e Renovação.

Como a primeira fase foi um fracasso retumbante (mesmo com generosas verbas para pesquisa), eles passaram direto para a segunda e terceira fases. Pelo menos em um ponto eles acertaram em cheio: “Sem argumentação e pesquisa sólidas, o projeto será apenas mais uma tentativa de doutrinar, ao invés de persuadir”.

Espero que os fatos e argumentos aqui apresentados contribuam para uma compreensão mais clara do que é o DI.


3 comments »

  1. josé Carlos disse:

    Os problemas herdados pela espécie humana e os demais animais,nao são provinientes de falhas de umDeus perfeitos e que não soube ou falhou em criar seres com deficiências ou “defeitos”.É preciso entender que esses problemas advieram do próprio homem por quebrar,transgredir,violar as leis da saúde,relaxamento e sedentarismo,stress,pouco repouso,alimentações desregradas,surgimento das doenças”modernas”…Então o projetista está certo,o caos pertence as escolhas que fazemos e as consequências que herdamos .A ciência sem Deus é um amontoado de explicações que esbarram em um muro onde estão letras garrafais que dizem,voltem ao zero,é preciso muito ainda a aprender e confirmar.A religião sem a ciência,são cegos que teimam que a escuridão é a única prova capz de provar que a luz não existe.Quando as duas correntes entenderem Que a humanidade só tem um caminho,descobrir que sem Deus ela é caos e sem ciência o homem fica mais alienado parqa entender Deus.

  2. Rubens Pazza disse:

    O texto exalta a questão das falhas de um suposto projeto do ser humano, mas as mesmas e muito mais podem ser observadas em outros organismos, que não sofreram do “pecado original”.

    A ciência não bate em um muro escrito “voltem ao zero”, muito pelo contrário. A ciência levou o homem à Lua, cura doenças, permite que você use um computador com cada vez mais tecnologia. Esta tecnologia é da ciência, não criação divina. Não há nenhuma idéia nos ensinamentos bíblicos ou de qualquer outra religião que permitam que possamos utilizar energia elétrica, produzir antibióticos, produzir alimentos pelo melhoramento genético clássico ou muito menos por biotecnologia. Tudo isso é conquista da ciência. A mesma ciência que estuda de onde viemos, e que cada vez mais diz que não há nada além do que podemos explicar pela própria ciência.

    Religiões precisam se ater ao que lhes cabe (embora eu tenha dúvidas de que isso efetivamente exista e que valha de alguma coisa), que é o de confortar mentes que precisam dela. Religiões precisam deixar de lado a necessidade de querer explicar o que não conseguem. E digo todas as religiões, não só as que são comuns por aqui.

  3. Fernando Silva disse:

    Este é um resumo que tentei fazer de uma típica discussão entre evolucionistas e criacionistas ou defensores do DI:
    ==============================
    Deixando de lado o fato de que de ‘inteligente’ nosso design não tem nada, segue-se um resumo da discussão:

    Não adianta pegar as afirmações de alguns cientistas isolados que, ao contrário do resto da comunidade científica, deixam que suas convicções religiosas influenciem sua vida profissional, e esfregá-las na nossa cara. A hipótese ‘Deus’ não tem lugar na ciência.
    Por que as opiniões destes poucos têm valor e o consenso da comunidade científica, obtido após muita discussão, pesquisa e testes, não é levado em conta?

    Dizer “Se eu não sei, então foi Deus” não é uma explicação, é uma desistência. Postular um criador que, por definição é inexplicável, não explica nada. Embora Deus seja uma possibilidade, a resposta mais honesta quando não se tem uma resposta é “Não sei”.

    Afirmar que, se eles, que são cientistas, aceitaram a Deus, então nós também temos que aceitar, é apenas um apelo à autoridade. Sem falar em que, se eles aceitaram, os outros, não.

    Citar ateus que se converteram também é apelo à autoridade. Por que a conversão deles tem tanto valor e a nossa desconversão não vale nada? Só funciona como exemplo num sentido e não no sentido oposto? Além disto, esses ex-ateus nunca apresentam argumentos convincentes. Repetem sempre as mesmas bobagens que já estamos cansados de refutar e fica a impressão de que a vontade de se agarrar ao consolo da crença venceu a razão e eles finalmente se permitiram acreditar.

    Despejar valores incompreensíveis de tão grandes, tipo “10 elevado a 40 mil”, para provar que uma coisa não pode ter acontecido, também não serve como argumento. O universo está cheio de coisas altamente improváveis e que, no entanto, existem, portanto números soltos, em si, não significam nada.

    Além disto, a que fenômenos esses números se aplicam? Ao surgimento repentino de uma forma complexa de vida? Sim, ele é altamente improvável, mas a vida não surgiu já pronta e complexa e é, em vez disto, o resultado de uma lenta acumulação de elementos mais simples ao longo de bilhões de anos e de bilhões de tentativas em bilhões de lugares.

    Outro erro é achar que todas as possibilidades são igualmente prováveis. Não são. Dentro de determinadas condições, certas coisas são mais prováveis de acontecer que outras. As reações químicas que levaram ao surgimento da vida eram mais prováveis de acontecer que aquelas que produziriam substâncias inertes ou, pelo menos, prováveis o bastante para que ela viesse a existir.

    Também não funciona citar objetos complexos, como um celular, como prova de que ele tem que ter tido um criador. Sim, ele precisa de um criador. Não evoluiu sozinho de objetos mais simples. Não há propriedades da matéria que permitam isto, mas, mesmo que ainda não haja resultados conclusivos, a passagem de substâncias orgânicas a organismos capazes de se reproduzir e evoluir tem sido bastante pesquisada e não há nada que pareça impedir que isto aconteça.

    Sim, o surgimento dos celulares é resultado do surgimento da vida e da evolução. O erro está em supor que ele surgiria antes da hora.

    Outra bobagem muito citada é a da Primeira Causa. Se tudo tem que ter um criador, Deus também precisa de um criador e não adianta definir, arbitrariamente, que Deus sempre existiu. E, se coisas complexas necessitam de um criador, algo infinitamente complexo como um deus também precisa.

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.

rockcomciencia2

Conecte-se: